Chuva, chova

Acho um tanto bonita a sinceridade dos céus: quando estão saturados, cheios, recebem uma característica humana: explodem. Não como uma bomba-atômica. Eles explodem como lágrimas, dando um gelo ou sendo frios como a neve, mas também gritam, trovejam e soltam relâmpagos.

Ta aí uma boa lição pra se aprender com eles: explodir nem sempre é gritar ou arranjar confusão. Chove um pouquinho, dá um gelo, nem tudo se resolve na base da gritaria. Claro que ninguém tá proibido de relampejar de vez em quando, mas seja depois de chover ou de trovejar, faça com os céus: esqueça o que te encheu, nuvem, e abra espaço para um lindo e reluzente Sol!

(Isadora Bersot)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s